Em audiência pública nesta segunda-feira, 11, a Câmara Municipal de Fortaleza colocou em pauta a situação dos Transportes Recreativos de Passageiros (TRP), conhecidos como “trenzinhos da alegria”. O debate abordou a questão da regulamentação da atividade na Capital e as questões que versam sobre a segurança na prestação dos serviços a população.

A temática ganhou destaque após acidente no dia 19 de janeiro com um “trenzinho da alegria” na Avenida Engenheiro Santana Júnior, bairro Cocó. Após o ocorrido foi levantada questões em relação a fiscalização do serviço.

O debate na Câmara contou com a participação de vários animadores de “trenzinhos”, que vestidos de super-heróis infantis representaram os anseios da categoria diante da falta de regulamentação da atividade. O momento foi proposto pelo vereador Márcio Martins (PROS), que reforçou o papel dos “trenzinhos” na cadeia produtiva da Capital.

“Precisamos primeiramente respeitar essa atividade, que representa muito para a nossa cadeia produtiva. O termo proibição não deve existir, e estamos aqui para cumprir o papel de legislar em favor do povo”, destacou Márcio Martins. O parlamentar enfatiza a relação da atividade com a história lúdica e de entretenimento de Fortaleza, classificando-a como patrimônio da cidade.

O presidente da Associação de Empresário de Transporte Recreativo de Passeios do Ceará (ASSTRECE), Carlos Fernando, falou de como o serviço do “Trenzinho” iniciou na Capital, tendo como ponto inicial a Beira Mar e depois se estendendo para eventos em escolas e recreativos. “Nós gostaríamos de pedir, para os gestores olharem com mais carinho para a nossa atividade, são milhares de pessoas defendendo o pão de cada dia. Temos encontrado dificuldades ao longo dos anos, e nos vemos de repente incapacitados de trabalhar, estamos aqui para pedir que o poder público regulamente essa atividade”, salientou Carlos Fernando.

O debate contou com a participação do vereador Sargento Reginauro (sem partido) e do deputado estadual Soldado Noelio (PROS), além com representantes da Polícia Rodoviária Federal e Estadual, inspetor Sandro Alencar e o Major Holanda, respectivamente. Parabenizando a Câmara pela iniciativa, os policiais reforçaram o papel da PRE e PRF no apoio operacional para a efetivação do serviço na Capital.

Márcio Martins concluiu o debate lamentando a ausência de representantes da Prefeitura de Fortaleza, citando a importância do diálogo para uma construção democrática da regulamentação dos trenzinhos.