Operação Inverno 2022 visitará mais de 490 mil imóveis até fevereiro

04/01/2022 - Adriana Albuquerque

Na Capital, cerca de 40% dos bairros se encontram em estado de alerta em relação aos focos de arboviroses

O ínicio do período chuvoso chama atenção para as ações de prevenção das arboviroses. Com isso a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Célula de Vigilância Ambiental (Covis) da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), realiza Operação Inverno 2022, monitorando possíveis focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. A ação envolve cerca de 1.100 agentes de endemias, que realizam em torno de 14 mil visitas diárias em toda a Cidade.

Nesta terça-feira (4), os agentes visitaram domicílios dos bairros Cajazeiras e Passaré, dentre os locais ferros-velhos e residências. Os profissionais também monitoram outras possíveis infestações, como a do inseto transmissor da Doença de Chagas e o aparecimento de escorpiões. A Operação segue até fevereiro de 2022, cerca de 50 bairros serão contemplados, com visita a mais de 490 mil imóveis.

As ações se baseiam em dados epidemiológicos e entomológicos, obtidos por meio das visitas domiciliares, informou Atualpa Soares, gerente da Covis. As intervenções iniciam antes do período mais intenso das chuvas, com intuito de conscientizar a população e estabilizar a situação até o início da quadra chuvosa.

“É uma ação que ocorre há cerca de quatro anos em Fortaleza. O município faz estudos baseados nos dados epidemiológicos, seja de casos notificados ou confirmados, e os dados entomológicos, que são as pesquisas que a gente faz casa a casa, quando encontra os focos. E tem a colocação de armadilhas específicas, que fazem o monitoramento da presença ou não dos focos. A gente junta esses fatores e, na maioria das vezes eles são coincidentes, faz esse estudo e, a partir dele, sabe quais bairros precisam de intervenção mais detalhada para evitar os surtos e epidemias de arboviroses no município de Fortaleza”, explicou.

Segundo o coordenador do Programa de Controle das Arboviroses, Carlos Alberto dos Santos Barbosa, Fortaleza tem cerca de 1.700 pontos estratégicos, a exemplo de locais como ferro-velho, ou seja, pontos com maior concentração e risco de infestação.

De janeiro a novembro de 2021, ocorreram mais de dois milhões de visitas domiciliares de combate a arboviroses. No LIRAa, dos 49.679 imóveis amostrados, foram identificados mais de oito mil focos do mosquito, o que corresponde a cerca de 1,1% dos locais visitados. Na Capital, cerca de 40% dos bairros se encontram em estado de alerta em relação aos focos de arboviroses.

Cuidados no combate ao Aedes aegypti

Prevenção/Proteção

  • Utilize telas em janelas e portas, use roupas compridas – calças e blusas – e, se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente nessas áreas.
  • Fique, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis.

Cuidados

  • Caso observe o aparecimento de manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre, busque um serviço de saúde para atendimento.
  • Não tome qualquer medicamento por conta própria.
cuidado dentro de casa e aptos 250x200 vermelho preto

Cuidados dentro das casas e apartamentos

  •  Tampe os tonéis e caixas d’água;
  •  Mantenha as calhas sempre limpas;
  •  Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
  •  Mantenha lixeiras bem tampadas;
  •  Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
  •  Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;
  •  Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;
  •  Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.
area externa

Área externa de casas e condomínios

  •  Cubra e realize manutenção periódica de áreas de piscinas e de hidromassagem;
  •  Limpe ralos e canaletas externas;
  •  Atenção com bromélia, babosa e outras plantas que podem acumular água;
  •  Deixe lonas usadas para cobrir objetos bem esticadas, para evitar formação de poças d’água;
  •  Verifique instalações de salão de festas, banheiros e copa.

Com informações da Prefeitura de Fortaleza e Agência Nacional de Saúde

Foto: Marcos Moura/Prefeitura de Fortaleza