Fortaleza volta a apresentar alta concentração de coronavírus na rede de esgoto

30/12/2021 - Rochelle Nogueira

O acentuamento do vírus nos esgotos pode estar diretamente ligado aos festejos do Natal, segundo os pesquisadores.

Segundo o Centro de Inteligência em Saúde do Estado do Ceará (Cisec), vinculado à Superintendência da Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins Rodrigues (ESP/CE), em parceria com a Rede Monitoramento Covid Esgotos, ocorre um acompanhamento das concentrações dos níveis do vírus SARS-CoV-2 — causador da Covid-19 — na rede de esgotos de Fortaleza.

O monitoramento é liderado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), sob coordenação do professor André Bezerra com o levantamento por meio da análise das amostras recolhidas nas estações elevatórias da cidade. A iniciativa é importante para dimensionar os riscos que a Covid-19 ainda representa, mesmo em um cenário otimista, com o aumento do número de vacinados, a diminuição de casos registrados.

De acordo com o coordenador do Cisec e cientista-chefe da Saúde do Estado, José Xavier Neto, o monitoramento dá uma ideia do tamanho da ameaça a ser enfrentada. Em determinadas semanas, é possível verificar a grande variação na presença do vírus em diversas regiões da Capital.

O pesquisador chama a atenção para um aumento considerável na concentração viral percebida na semana entre os dias 5 e 11 de dezembro de 2021. Segundo Xavier, uma causa provável deste crescimento em determinadas regiões da capital cearense pode estar ligada à realização de eventos na cidade, como congressos. “Fortaleza tem sido sede de vários eventos em novembro e dezembro. Então, provavelmente, há algum tipo de ocorrência associada ao fluxo de pessoas de outras cidades”, analisa.

Outro período que também chamou a atenção da equipe de monitoramento foi o da semana entre 19 e 25 de dezembro. Para os pesquisadores, o acentuamento do vírus na rede de esgoto pode estar diretamente ligado aos festejos do Natal.

Monitoramento em quatro faixas

O monitoramento é dividido em quatro faixas: não detectado, em verde; de 1 a 4 mil por litro, representadas no mapa em amarelo; de 4 mil a 25 mil, em laranja; e acima de 25 mil, em vermelho.

Em Fortaleza, Xavier Neto destaca que as regiões que mais registraram aumento no número de casos durante a semana epidemiológica 49 foram: Meireles, Praia do Futuro I e II, a região próxima ao Terminal Marítimo e Cocó. O pesquisador atenta para a importância de mantermos os cuidados na prevenção à doença e a adesão à vacinação.

>>Confira o Informe Epidemiológico

Com informações do Governo do Estado do Ceará.

Foto: Governo do Estado do Ceará