Grande Expediente debate tramitação da LOA e medicamentos para pessoas com autismo

24/11/2021 - Rochelle Nogueira

Utilizaram a tribuna o vereador Márcio Martins e Léo Couto pela liderança da oposição e do executivo respectivamente

Pela liderança do executivo, o vereador Leo Couto (PSB) destacou a tramitação da Lei Orçamentária Anual para o ano de 2022, com abertura do sistema para a apresentação das emendas parlamentares.

“A aprovação dessa peça orçamentária repercute na vida dos fortalezenses e no bom andamento da cidade. Fiquei orgulhoso de receber essa tarefa”, declarou o vereador evidenciando que a apreciação em plenário deve iniciar amanhã e após três sessões, com o recebimento das emendas, retornará às comissões.

No segundo momento o vereador destacou projetos de sua autoria voltados para a retomada da economia, do emprego e renda oferecendo a juventude acesso à área digital. “O projeto Jovens pelo Futuro está se materializando com uma parceria público-privada, com a formação de 150 jovens nos Cucas. As inscrições já estão abertas”, finalizou.

Repasse de medicação

O vereador Márcio Martins (Pros) pelo tempo da liderança da oposição repercutiu a falta de um medicamento que, segundo ele, é importante no tratamento de pessoas com autismo. Márcio informou que a pauta já havia sido debatida anteriormente e sanada, mas agora a situação voltou a acontecer.

“Estamos vivendo um retrocesso com a falta da medicação risperidona, importante no tratamento de pessoas autistas. Essa situação já havia sido sanada e voltei a receber reclamação de pais”, contou o parlamentar, inclusive, pedindo ajuda dos vereadores para resolver a situação.

Martins enfatizou que está iniciando uma articulação para a criação dentro da Secretaria da Saúde de um núcleo ou coordenadoria especializada no atendimento às pessoas com autismo. No âmbito nacional, o vereador não vê com expectativas ações voltadas às pessoas com deficiência.

“Criei uma grande expectativa com a primeira-dama Michelle Bolsonaro, quando no dia da posse fez a inserção da pauta para as pessoas com deficiência, no entanto até agora não disse a que veio”, frisou.

Em um aparte, o vereador Gardel Rolim (PDT) enfatizou que alguns componentes da Rede Especializada são distribuídas pelo Ministério da Saúde. “No ano passado e neste ano tivemos muito problema com repasses de remédios tanto para as pessoas autistas como os pacientes da saúde mental”, evidenciou o parlamentar.

Foto: Jairo Oliveira