Estudo aponta prevalência de Covid-19 em estudantes mesmo com ensino remoto

21/07/2021 - Rochelle Nogueira

Foram incluídos na pesquisa três faixas etárias, sendo: 423 crianças de até 9 anos; 854 adolescentes de 10 a 19 anos; e 282 funcionários das escolas

Um artigo publicado pelo Laboratório de Biotecnologia e Biologia Molecular (LBBM) da Universidade Estadual do Ceará (Uece), na revista Elsevier, aponta a prevalência da Covid-19 em crianças, adolescentes e adultos que se encontram em situação de educação a distância na rede municipal de ensino em Fortaleza.

De acordo com o estudo, um importante dado verificado é relevante para o cenário educacional da cidade, pois, conforme alerta, há potencial de transmissibilidade em todas as faixas etárias estudadas, mesmo entre as crianças que se encontravam no ensino remoto.

“Mesmo as crianças que estavam apenas em ensino remoto apresentaram uma taxa de contaminação por Covid-19 considerável. Em sua maioria, as crianças eram assintomáticas, mas mantinham capacidade de transmitir a doença”, revela o pesquisador Valdester Cavalcante Pinto Júnior.

Foram incluídos na pesquisa três faixas etárias, sendo: 423 crianças de até 9 anos; 854 adolescentes de 10 a 19 anos e 282 adultos com idade maior que 19 anos, que eram funcionários das escolas.

Os resultados preliminares foram entregues a Secretaria Municipal de Saúde e a Secretaria Municipal da Educação (SME) em dezembro de 2020, quando a capital já vivenciava uma segunda onda da Covid-19.

Entendendo a pesquisa

O estudo foi dirigido pela coordenadora do LBBM, professora Izabel Florindo Guedes, em parceria com o Instituto do Coração da Criança e do Adolescente (InCor Criança) e com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), com objetivo de identificar a prevalência de Covid-19 por meio de testes sorológicos (IgM e IgG) e RT-PCR.

Do público analisado: 423 crianças, 107 delas (25,3%) apresentaram soroprevalência com IgG, IgM ou IgG/IgM. Já entre os 854 adolescentes estudados, 250 (29,2%) tiveram sorologia positiva, enquanto, no grupo de 282 adultos, 59 (20,9%) foram positivados com a doença. A taxa de prevalência para todos os grupos foi de 26,7% na sorologia e 4,04% na RT-PCR.

>> Saiba quais os exames específicos para detectar a Covid-19

Motivado em dar respostas aos pais de estudantes com comorbidade, cardiopatia congênita, o pesquisador do LBBM, Valdester Cavalcante Pinto Júnior, autor da tese de doutorado relacionada à pesquisa, iniciou o estudo. Dentro os parâmetros examinados, as crianças apresentaram taxas mais baixas de IgM (anticorpo de fase aguda da infecção) e menos sintomas em comparação com adolescentes e adultos.

O professor explicou que esse e outros estudos foram cruciais na tomada de decisão do município adiando o início das aulas presenciais. “Esse foi mais um estudo que deu base para a tomada de decisões no sentido de estender um pouco mais as aulas remotas”, disse.

Testagem por saliva

Dando continuidade a uma série de pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório de Biotecnologia e Biologia Molecular (LBBM) que recentemente solicitou a Anvisa permissão para testagem em humanos a vacina 2H120 Defense contra Covid-19, uma nova etapa do estudo está em andamento. O LBBM  está desenvolvendo um teste rápido de detecção do vírus da Covid-19 diretamente na saliva, e aguarda novamente ser publicado em revista internacional.

A coordenadora do Laboratório, professora Izabel Florindo Guedes, relata que o resultado do teste será conhecido entre três a cinco minutos. A docente informa que a universidade já realizou o pedido de depósito de patente dos testes rápidos.

>> Pesquisadores da Uece detalham desenvolvimento da vacina contra a Covid-19 em reunião da Frente Parlamentar

Com informações do Governo do Estado do Ceará

Foto: Prefeitura de Fortaleza