UFC lidera estudo que vai avaliar impacto da Covid-19 na violência doméstica no Brasil

29/03/2021 - Marcelo Raulino

A Universidade Federal do Ceará (UFC) está liderando um estudo que vai investigar o impacto da Covid-19 sobre a violência doméstica e familiar no Brasil. O objetivo é observar o modo como a pandemia afetou o comportamento doméstico de homens, mulheres e crianças. A pesquisa é a única das Américas selecionada pela Sexual Violence Research […]

A Universidade Federal do Ceará (UFC) está liderando um estudo que vai investigar o impacto da Covid-19 sobre a violência doméstica e familiar no Brasil. O objetivo é observar o modo como a pandemia afetou o comportamento doméstico de homens, mulheres e crianças. A pesquisa é a única das Américas selecionada pela Sexual Violence Research Initiative (SVRI), maior rede mundial de pesquisa sobre o tema. O projeto “Entendendo os Impactos da Covid-19 sobre a Violência Doméstica no Brasil”, concorreu com cerca de 330 propostas de vários países, sendo um dos oito selecionados.

O estudo será realizado em parceria com outras instituições. Além do Ceará, participam os estados de Pernambuco, Bahia, São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás e Pará. O professor José Raimundo Carvalho, da Pós-Graduação em Economia (CAEN), está à frente da coordenação do projeto. Segundo ele, o estudo vai abordar uma questão urgente, complexa e globalmente desafiadora, e vai produzir evidências científicas para um plano de retomada pós-covid-19 que integre a perspectiva de gênero.

José Raimundo Carvalho, que é diretor do Colégio de Estudos Avançados (CEA) da UFC, detalha que a pesquisa conta com uma rede internacional de pesquisadores especialistas nas áreas de economia, econometria de avaliação de programas, criminometria, saúde pública, gênero, violência doméstica e familiar contra mulheres e crianças, e políticas públicas.

Pontua que o trabalho tem o objetivo de avaliar o impacto da pandemia de Covid-19 e as respostas associadas (incluindo medidas de saúde pública e transferência de renda condicional de emergência) sobre a violência doméstica e familiar contra mulheres e crianças no Brasil. O projeto está relacionado à Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (PCSVDF Mulher), já em andamento. De acordo com Carvalho, o novo trabalho irá utilizar a base de dados do PCSVDF Mulher, composta por 10 mil mulheres, e sorteará 6 mil para compor a amostra do projeto.

O estudo será iniciado em 1º de junho de 2021 com uma pesquisa CATI (Computer Assisted Telephone Interview) com mulheres que já foram entrevistadas pouco antes do início da pandemia e utilizará uma “metodologia longitudinal baseada em experimentos quase-naturais” para atingir seus objetivos. Serão coletadas informações em sete estados brasileiros: Ceará, Pernambuco, Bahia, São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás e Pará.

Aporte

Para sua execução, o projeto receberá um aporte financeiro de R$ 706.000,00 e está previsto para durar 18 meses. “Como equipe científica, estamos bem cientes dos desafios técnicos, científicos, éticos e até ideológicos únicos envolvidos no tema que analisaremos, mas isso é exatamente o tipo de problema complexo que queremos enfrentar e fazer a diferença como cientistas e seres humanos, trabalhando para influenciar as políticas públicas, para aumentar e fortalecer a pesquisa orientada para a ação e sua aceitação (research uptake), e para melhorar a vida daquelas que experimentam a violência baseada no gênero”, considera Carvalho.

Participam do estudo também os seguintes pesquisadores: Conceição de Maria, do Instituto Maria da Penha (IMP); Prof. Diego de Maria, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Prof. Antônio Rodrigues Ferreira, da Universidade Estadual do Ceará (UECE); Prof. Victor Hugo Oliveira, do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE); Profª Sonia Bhalotra, da Universidade de Essex (Inglaterra); e Prof. Joseph Vecci, da Universidade de Gotemburgo (Suécia).

Com informações da ufc.br

Foto: Agência Brasil