Profissionais apoiam decisão do Governo do Estado que tornou a Psicologia uma atividade essencial

22/03/2021 - Marcelo Raulino

O Decreto incluiu as clínicas de psicologia e as clinicas de tratamento de dependência química, inclusive o alcoolismo como atividades essenciais.

O Decreto 33.992, de 20 de março de 2021, do Governo do Estado, que prorrogou o isolamento social rígido em todo Estado, incluiu as clínicas de psicologia e as clinicas de tratamento de dependência química, inclusive o alcoolismo como atividades essenciais.  Pelo decreto, esses serviços se manterão em funcionamento e não serão suspensos. Para a presidente do Conselho Regional de Psicologia – 11ª Região, Nágila Natasha, o impacto maior dessa medida ocorrerá junto a sociedade civil e no seu direito de acesso a um serviço psicológico ético e de qualidade.

“É bem verdade que há um setor econômico aí em questão, o das clínicas de psicologia, mas a perspectiva do Conselho Regional de Psicologia, devido suas competências legais e compromisso político, é de abordar o funcionamento das clínicas de psicologia com vistas aos interesses da sociedade civil. Nosso olhar, embora que tangencie as questões de mercado do setor, é de uma natureza bem distinta. A decisão recente do governo vem no sentido de considerar as especificidades da nossa atuação, vem no sentido de assegurar um atendimento psicológico de qualidade e ético, tendo em vista que nem todo caso pode ser atendido no formato de atendimento à distância”, observa.

Ela acentua que o Conselho Regional pleiteou em ofício datado do dia 8 de março, o reconhecimento da essencialidade dos atendimentos psicológicos junto ao Governo do Estado sim. “Contudo, preciso destacar que o que nós defendemos é que apenas uma pequena parcela dos atendimentos presenciais pudessem ser mantidos, em nenhum momento defendemos que as atividades presenciais deveriam continuar indiscriminadamente. Nossa recomendação é a mesma feita pelo Conselho Federal de Psicologia desde o ano passado, ou seja, que diante da crise sanitária atual, as nossas profissionais prefiram os atendimentos mediados pelas tecnologias no lugar dos serviços presenciais”. 

Atualmente o Conselho Regional de Psicologia da 11ª Região conta com 140 pessoas jurídicas inscritas junto aquela autarquia prestando serviços psicológicos e em torno de 9 mil profissionais ativas no estado.

Academia

Para o professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). João Ilo Coelho Barbosa, a medida acertada. Ele destaca que a psicologia desenvolve diferentes tipos de atendimentos seja em clínicas, nos hospitais e em instituições, principalmente no atual contexto que tem refletido na saúde das pessoas. João Ilo observa que existem vários atendimentos que não podem ser feitos online, como por exemplo o de crianças. “É preciso interagir, brincar com a criança, a interação online é muito limitada. A proximidade é importante para a pessoa possa se sentir acolhida”, argumenta.

Segundo ele, outros casos que o atendimento remoto não é recomendado são das pessoas com problemas graves, como depressão, tendência suicida e possíveis transtornos mentais que podem ter o tratamento comprometido se for somente no sistema remoto. “É possível realizar o atendimento online, sim é possível, mas não significa que terá 100% de resolutividade”, comentou.

Segundo o Conselho Federal de Psicologia (CFP) é inadequado o atendimento psicológico on-line de casos que necessitem de intervenções por profissionais e equipes de forma presencial como, por exemplo, pessoas e grupos em situação de urgência e emergência. Além disso, é vedado o atendimento on-line de pessoas e grupos em situação de emergência e desastres, bem como, em situação de violação de direitos ou de violência.

Com relação aos serviços psicológicos on-line oferecidos a pessoas com deficiência, estes deverão respeitar as especificidades e adequação de métodos e instrumentos utilizados, conforme a legislação vigente. Em relação ao atendimento on-line de crianças e adolescentes, o psicólogo deverá avaliar a sua viabilidade e, para que ocorra, será fundamental o consentimento expresso de ao menos um dos responsáveis legais.

Profissionais

Para a psicóloga Tarciane Ferreira, que atua em clinicas particulares em Fortaleza e Eusébio, a medida é bastante positiva. “É necessário o cuidado com a saúde psíquica, com o emocional. Estamos todos vivendo uma Pandemia pela primeira vez. Mas do que nunca é essencial ter um olhar mais cuidadoso com a saúde mental, um olhar acolhedor e empático com a dor do outro. O índice de pessoas que apresentaram algum tipo de transtorno ou que tiveram quadro agravado, elevou muito nos últimos 12 meses”, opina a profissional.

Na sua opinião, o atendimento psicológico é mais do que essencial, pois todos os dias temos nos deparado com perdas. “Todos os dias o amor de alguém morre e não consegue se despedir de forma digna. Todos os dias alguém perde o emprego. São dias de incertezas. Nem todos, estão conseguindo se reinventar financeiramente. Ainda tem que aprender a conviver em isolamento e distanciamento dos familiares e amigos. Se manter são nesse momento, não está fácil,” argumenta.

Tarciane entende que a psicoterapia é uma aliada nesse momento, pois pode auxiliar a pessoa a perceber mesmo na atual situação ela pode reconhecer suas limitações, e que isso não é sinal de fraqueza, mas apenas uma forma de reconhecer que precisa da ajuda de um profissional. Ele observa também a situação dos profissionais que estão trabalhando na linha de frente ao combate ao Covid, que estão cansados e precisando urgente desse amparo emocional.

Com relação aos atendimentos, observa que a medida foi válida por nem todas as demandas podem ser feitas de forma remota. “Precisamos compreender que antes da Pandemia, já haviam clientes/pacientes em seus processos de psicoterapia. Alguns exemplos que necessitam de atendimento presencial, atendimento infantil, atendimento infantil com necessidade específica (ou até mesmo adulto), atendimento com adictos, ideação suicida. Não diminuindo a dor de alguém, cada dor é particular e tem sua singularidade. Mas há alguns atendimentos, que não se encaixam para o atendimento remoto”, ressalta.

Questionada se não há temor dos profissionais com relação a passar a realizar atendimentos presenciais quando a pandemia tem se ampliado, ela disse que sim existe esse temor, mas acredita que todos de alguma forma têm que se expor. “Mas os cuidados foram redobrados e readaptados. Por exemplo, onde atendo, retiramos a recepção. Caso o cliente/paciente tenha que ir acompanhado para a sua sessão de Terapia, o acompanhante o aguarda no jardim. Alguns recursos infantis não estão sendo utilizados. Estamos nos adaptando a realidade do momento. Além do uso obrigatório da máscara e a disponibilidade de álcool em gel, próximo. No intervalo de atendimento a outro, faço higienização da sala e abro a janela por um tempo”, detalha.

Locais para atendimento psicológico gratuito

Clínica de Psicologia UFC

Rua Waldery Uchôa, 3A – Benfica

Telefone:,3366-7690

Clínica de Psicologia UECE

Centro de Humanidades da UECE – Av. Dr. Silas Munguba, 1700, Campus do Itaperi

Telefone: 3101-9981

Clínica de Psicologia Estácio do Ceará

Rua Eliseu Uchôa Becco, 600- Guararapes Bloco B 1° andar.

Telefone : 3270-6798

Clínica de Psicologia UNIFOR- NAMI

R. Des. Floriano Benevides Magalhães, 221 – Edson Queiroz

Telefone: 3477-3644

Clínica de Psicologia UniFanor

Avenida Santos Dumont, 7800- Manoel Dias Branco

Telefone: 3052-4865

Instituto Bia Dote

Av. Barão de Studart, 2360 – Sala 1106 – Aldeota

Telefone: 3264-2992

Foto: Agência Brasil