Aliança Covax aproxima o Brasil de nove possíveis vacinas

09/10/2020 - Ana Clara Cabral

Saiba também como ocorrem as etapas de desenvolvimento e aprovação de uma vacina no Brasil.

Vacina - Agência Brasil

Atualizações sobre as vacinas em estudo foram divulgadas ontem, em coletiva de imprensa, pelo secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco. De acordo com ele, a aliança criada pela Organização Mundial da Saúde, denominada Covax Facility já conta com 9 vacinas no portfólio.

O Covax Facility é um instrumento de acesso global de vacinas contra a Covid-19 que promete assegurar o acesso justo e equitativo de todos os países às futuras vacinas. Além disso, busca garantir doses suficientes para proteger parcela prioritária da população mundial (profissionais de saúde e grupos de risco).

Conforme divulgou o Ministério da Saúde, até o momento fazem parte nove laboratórios:

  • Inovio
  • Moderna
  • Curevac
  • ThemisMerk
  • Oxford/ AstraZeneca
  • Novavax
  • Universidade Queensland
  • Clover
  • Universidade de Hong Kong

Para aderir ao Covax, um crédito de 2,5 bilhões foi viabilizado pelo Governo através de medida provisória. “Contando com duas vacinas, temos garantido para o primeiro semestre de 2021, 140 milhões de doses no Programa Nacional de Imunização”, declarou Elcio Franco.

Entre as vantagens da adesão à aliança, o Ministério da Saúde citou o número diversificado de fabricantes, mitigação de riscos, potencial para alcançar oportunidades contratuais com múltiplas empresas, melhores condições de acesso à vacina, maiores chances de sucesso de uma vacina rápida e eficaz, e a promoção de cenário global mais colaborativo e inclusivo para desenvolvimento e distribuição.

Oxford / AstraZeneca

Em 8 de setembro foi assinado o Termo de Contrato de Encomenda Tecnológica para a parceria da Fiocruz com a AstraZeneca. Cerca de R$ 2 bilhões foram aprovados em crédito extraordinário para a viabilização da mesma. Esta vacina faz parte do portfólio Covax Facility e da Operação Warp Speed, dos EUA, conforme informou o secretário-executivo.

Atualmente o Brasil participa da última fase da pesquisa da vacina em estudo, coordenado pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), com 10 mil voluntários de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia para os testes.

A Fiocruz e a AstraZeneca assinaram acordo para contrato de encomenda tecnológica para escalonamento de 100,4 milhões de doses do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) e de transferência de tecnologia para a produção da vacina em Bio-Manguinhos/Fiocruz.

Entenda as etapas de desenvolvimento e aprovação regulatória de uma vacina:

Conforme explicou Hélio Angotti Neto, secretário de Ciências, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos, primeiro acontece a descoberta da proposta de imunização, passagem pela fase pré-clínica e autorização dos CEP/Conep (Comitês de Ética em Pesquisa) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Então começam os testes na pesquisa clínica, dividida em três fases. Logo após, a vacina passa para aprovação na Anvisa, Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), que avalia o preço de disponibilização, e Comissão Nacional De Incorporação de Tecnologias No SUS (Conitec).

Foto: Agência Brasil