Respirador desenvolvido no Ceará está em fase final de testes

29/06/2020 - Cleonardo Dias

O capacete de respiração Elmo, está sendo testado no Hospital Leonardo da Vinci em 10 pacientes

Uma boa notícia para pacientes e profissionais da saúde do Ceará, o Elmo, capacete de respiração assistida para tratar pessoas com quadro leve ou moderado de Covid-19, já está em fase de teste clínico. Se aprovado, o equipamento ajudará a desafogar os leitos de UTIs em todo o Estado. A fase de teste segue até a próxima semana onde posteriormente será analisado sua eficácia.

O Elmo é fruto da força-tarefa composta pelo Governo do Ceará, Sesa, Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE) e Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), além da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/Ceará), Universidade Federal do Ceará (UFC) e Universidade de Fortaleza (Unifor).

Foto: divulgação SENAI

O capacete de respiração vem sendo testado no Hospital Leonardo da Vinci em cerca de 10 pacientes e, até o momento, vem sendo satisfatório o seu uso.  Segundo a Secretaria da Saúde do Estado, o procedimento é um dos critérios necessários para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorize a produção do equipamento em larga escala.

O superintendente da ESP/CE, Marcelo Alcântara, relatou com otimismo o teste realizado com o capacete em uma paciente de 77 anos que apresentou um quadro de pneumonia gerada por Covid-19. “A gente precisa checar se aquilo que o Elmo se propõe de fato acontece, que é melhorar a respiração do paciente durante o uso. O equipamento melhorou a oxigenação da paciente e serão avaliados mais casos até concluirmos a eficácia do dispositivo”, disse.

Já o secretário de Saúde do Estado, Dr. Cabeto, enalteceu o trabalho de toda equipe que desenvolveu equipamento e enfatizou sua importância. “O trabalho feito com o Elmo em tempo recorde evidencia que o Ceará tem capacidade para inovar, essencial para democratizar o sistema de saúde”, pontuou.

Funcionamento

O Elmo é formado basicamente por três componentes: uma argola rígida, por onde entram os tubos com provimento de oxigênio; uma base flexível que se ajusta ao pescoço do paciente; e uma coifa de PVC, que é o capacete propriamente dito, montado sobre os outros dois componentes.

O capacete prevê a utilização de um mecanismo de respiração artificial não-invasivo. Acomodado ao pescoço do paciente, o Elmo permite ofertar oxigênio a uma pressão definida. Essa pressão fica ao redor da face do paciente, que respira com auxílio da pressurização e oferta de oxigênio. O sistema permite que ele melhore a sua respiração e não precise eventualmente de intubação.

Informações: Governo do Estado do Ceará

Foto: Divulgação/Governo do Estado do Ceará