Fortaleza registra 6 mil novos casos de Covid-19 e aumento de 60% no número de óbitos em 10 dias

25/05/2020 - Marcelo Raulino

Desde sexta-feira, a Capital registrou mais 1.356 novos casos de Covid-19, totalizando 20.040, nesta segunda-feira.

Pessoas usando máscara durante isolamento social

O Boletim Epidemiológico divulgado no dia 22 de maio pela Secretaria de Saúde de Fortaleza confirmou por critério laboratorial, 18.684 casos de Covid-19 em residentes de Fortaleza, 6.020 casos a mais com relação ao Boletim anterior, divulgado em 13 de maio. Conforme o estudo, elaborado com base na plataforma IntegraSUS do Governo do Estado, a curva epidêmica de casos confirmados (acumulados) atualizada, apresenta um crescimento linear, no entanto, houve uma discreta desaceleração a partir do dia 10 maio. Desde sexta-feira, a Capital registrou mais 1.356 novos casos de Covid, totalizando 20.040, nesta segunda-feira.

Conforme a SMS, 80% dos exames realizados junto ao LACEN (Laboratório Central do Estado) têm apresentado resultado positivo para Covid-19. No município de Fortaleza até o dia 22 foram confirmados 1.647 óbitos por Covid-19 desde a ocorrência da primeira morte, 621 casos a mais com relação ao Boletim anterior. Pelo histórico dos casos houve uma inflexão ascendente (aumento) na segunda quinzena de abril, com o crescimento do número de mortes a cada 24 horas ganhando velocidade que se estendeu até os primeiros dez dias de maio, indicando um padrão exponencial de incremento de óbitos. A partir daí, teve início uma tendência inversa, de lento “achatamento” da curva, que reflete uma estabilização ou discreta redução dos eventos fatais registrados diariamente.

A média diária de mortes durante todo o período da epidemia é de 28,2 fatalidades. A série temporal apresenta um período bem definido. Entre os dias 7 e 13 de maio ocorreu uma elevada mortalidade, considerando também os óbitos em investigação. Este intervalo de tempo com maior mortalidade ocorreu aproximadamente dez dias após as datas com maior número de casos. Em Fortaleza, a duração média do curso clínico de evolução da doença tem sido de 10 dias, com relação aos pacientes cujo desfecho é fatal.

Nas duas primeiras semanas epidemiológicas, a 13 e a 14, que se seguiram à confirmação da primeira morte, a média diária foi ainda de 3 óbitos. Em seguida, a média saltou para 10,7 fatalidades diárias (nas semanas 15 e 16), mais do que triplicou na quinzena seguinte (semanas 17 e 18), e alcançou 66,4 mortes na semana 19.

Estabilização

Quando se compara a média diária de óbitos ocorridos na semana epidemiológica 19 com aqueles registrados na semana epidemiológica 20 (média 51,1), mesmo que exista um elevado número de óbitos em investigação, e subnotificação transitória dos óbitos ocorridos em datas recentes, a Secretaria afirma que se houver aumento da média diária, este não deverá ser tão significativo quanto na transição das semanas anteriores. “Caso essa tendência se confirme, estará acontecendo uma estabilização do número de mortes a cada 24 horas, embora, cabe-se frisar, ainda em um nível muito elevado”, pontua.

Com relação a distribuição dos casos e óbitos por COVID-19 segundo o grupo etário e sexo estão registrados observa-se seguinte: 68% dos casos e 24% das mortes foram confirmados na população de 20-59 anos; 29% dos casos e 75% das mortes foram confirmadas no grupo com 60 anos e mais; e a maioria dos pacientes que morreram eram homens (57%).

Foto: Érika Fonseca