Pesquisa do IBGE divulgará dados sobre Covid-19 em 3.364 municípios brasileiros

11/05/2020 - Cleonardo Dias

A pesquisa vai ajudar o Ministério da Saúde a identificar o tamanho real da pandemia.

Movimentação de pessoas nas ruas de Fortaleza

Devido ao novo cenário vivido no Brasil em virtude da pandemia do coronavírus, torna-se fundamental a rápida geração de informações que possam basear e sustentar decisões dos segmentos de governo e da sociedade civil. Em consequência disto, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com o Ministério da Saúde, iniciou neste mês de maio a coleta por telefone da PNAD Covid, uma versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua para quantificar as pessoas com sintomas de Covid-19 e os impactos da pandemia no mercado de trabalho.

Segundo o IBGE, cerca de dois mil agentes já começaram a telefonar para 193,6 mil domicílios distribuídos em 3.364 municípios de todos os estados do país. Para definir a amostra da nova pesquisa o órgão utilizou a base de 211 mil domicílios que participaram da PNAD Contínua no primeiro trimestre de 2019.

Como forma de segurança, o IBGE esclarece que os moradores que receberem o telefonema podem confirmar a identidade dos agentes de coleta por meio do site Respondendo ao IBGE ou do telefone 0800 721 8181, e informar matrícula, RG ou CPF do entrevistador. As entrevistas duram aproximadamente 10 minutos.

Ainda de acordo com o instituto de pesquisas, os primeiros resultados têm divulgação prevista ainda para este mês de maio. Os dados da pesquisa para grandes regiões serão disponibilizados semanalmente, enquanto as informações por estado serão mensais. A coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Maria Lucia Vieira, ressalta “Nosso cronograma de coleta vai depender da extensão da pandemia, mas planejamos divulgar os resultados semanalmente, às sextas-feiras”.

A pesquisa do IBGE vai estimar a quantidade de pessoas que tiveram algum dos sintomas de Covid-19, como febre, tosse, dificuldade de respirar, falta de paladar e olfato, fadiga, náusea e coriza. Também vai estimar a parcela da população que procurou atendimento e em quais tipos de estabelecimentos de saúde, dentre outras informações.

Ainda através do PNAD Covid, vai ser possível acompanhar as mudanças no mercado de trabalho neste período de pandemia, abordando questões sobre a prática de home office, os motivos que impediram a busca por emprego e os rendimentos obtidos pelas famílias.

O Secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, Erno Harzheim, destaca a importância desta parceria ” O apoio do IBGE neste momento de pandemia é estratégico para o Ministério da Saúde identificar o tamanho real da epidemia e a tomada de decisão para orientar o Sistema Único da Saúde (SUS), bem como o papel das equipes de Saúde da Família, a fim de minimizar os efeitos da pandemia na vida das pessoas”, disse.

Para ver o questionário da pesquisa completo, clique aqui.

O IBGE ressalta que vem utilizando sua experiência em coleta por telefone de pesquisas econômicas, mas, para definir o melhor formato para a PNAD Covid, o corpo técnico do instituto recebeu também apoio de especialistas em amostragem e em pesquisas telefônicas de outras instituições, como: Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence); Survey Research Center do Institute for Social Research, da Universidade de Michigan; Universidade Federal de Juiz de Fora; Universidade Federal de Minas Gerais e do Instituto de Pesquisa DataSenado, do Senado Federal.

Informações: Site IBGE

Foto: Érika Fonseca