A Câmara Municipal de Fortaleza realizou, nesta quinta-feira (16), Sessão Solene em comemoração aos 30 anos da Quadrilha Junina Babaçu e aos 20 anos da Quadrilha Junina Filhos do Sertão. A solenidade foi solicitada pelo vereador Márcio Martins (PROS), através dos requerimentos 397/2019 e 1024/2019, subscritos pelo vereador Guilherme Sampaio, aprovados por unanimidade pelo plenário da Casa.

Presidiu a solenidade, o vereador Márcio Martins, no ato representando o presidente da CMFor, vereador Antônio Henrique. A Mesa Solene contou com as presenças de Francisco Tácio Monteiro Lima, presidente da Quadrilha Junina Babaçu; Paulo Henrique Sampaio Lemos, presidente da Quadrilha Junina Filhos do Sertão; Daílton Rodrigues Ramos, representando a empresa Vidrilhos; Fátima Freire, presidente da Federação das Quadrilhas Juninas do Ceará (Fequajuce) e Paulo Sérgio Lopes, presidente da União Junina do Ceará.

Em sua saudação aos presentes, o vereador Márcio Martins pontuou que as duas quadrilhas somam 50 anos dedicados ao São João com muito sangue, suor e lágrimas. “Desde quando cheguei nessa casa faço homenagens, porque demorou muito para ao quadrilheiros terem seus espaços. Aqui discutimos os assuntos mais importantes da cidade e o movimento junino deve estar aqui. Estamos longe do que queremos? Talvez, mas já avançamos muito. Já tivemos momentos de preconceito. Diziam que quadrilheiros eram desocupados. Hoje não, ocupamos o Theatro José de Alencar, a Arena Castelão e vamos ocupar muitos outros espaços”, disse.

“Alguns dizem que o nosso movimento está caindo, mas é o ciclo da vida. Uns grupos acabam e outros nascem. Temos que nos preocupar com a gestão dos grupos, pois a cada ano está mais caro fazer São João. É hora de buscar uma reação nesse sentido. Portanto, quadrilheiros e quadrilheiras muito grato por estarem aqui conosco. Que os três santos juninos deem mais força a todos para continuar”, finalizou.

Em seguida foram feitas a entrega de certificados em comemoração aos 30 anos da Quadrilha Babaçu, as seguintes personalidades; Francisco Tácio Monteiro de Lima, Cherry de Sousa Teixeira; Aline Paula Silveira; Irê Rocha; Nelson Rocha de Castro. E aos 20 anos da Quadrilha Filhos do Sertão, aos seguintes: Paulo Henrique Sampaio Lemos; Eleni Oliveira da Silva; Micaele Macedo; Débora de Oliveira Farias; Cláudia Pereira Paiva. Recebeu também o certificado, o empresário Daílton Rodrigues Ramos, por sua contribuição ao movimento quadrilheiro.

Logo depois foram homenageadas as noivas: Carla Andréa da Silva, rainha 2000; Adriana Dias de Holanda, rainha 2003, 2004, 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011; Ana Paula Façanha, 2005 a 2006; Lamara Freire de Andrade, rainha 2012; Débora de Oliveira Farias, 2014, 2015, 2017 e 2018; Emily Ágata, rainha 2019.

Ato contínuo, Paulo Henrique Sampaio Lemos falou em nome dos homenageados da Quadrilha Filhos do Sertão. “São momento como esses que nos deixam lisonjeados. Essa é a segunda vez que sou homenageado, mas essa me emocionou mais porque veio de um vereador do povo, amigo e quadrilheiro. Palavras para falar eu teria, mas quero deixar um abraço no coração de vocês, e dizer que quadrilha é cultura, somos seres humanos e muitas vezes temos que deixar nossos afazeres cotidianos para fazer com que essa cultura continue. As quadrilhas se tornaram tão profissionais, que aumentou muito o custo, mas temos que continuar.”

Já Francisco Tácio Monteiro Lima se pronunciou em nome de todos homenageados da Quadrilha Babaçu. “Falar da quadrilha Babaçu me emociona muito. As pessoas me acham duro, mas sou uma pessoa de muito sentimento. Começamos em 1989, no grande Bom Jardim, éramos adolescentes. Essa quadrilha começou a ganhar espaço. Depois do Arraiá do Babaçu, outros grupos surgiram no cenário junino do Grande Bom Jardim. A brincadeira se tornou séria e começamos e levar para outros grupos. A quadrilha que me emocionou foi a Luar do Sertão do Cristo Redentor. E o destino me deu esse presente de termos uma das melhores quadrilhas do país”.

“Hoje a Junina Babaçu é a quadrilha de maior repercussão no espaço junino, nas redes sociais temos o maior número de seguidores. Deixou de ser de certa forma uma quadrilha e passou a ser uma empresa junina. É grande a importância de fomentar a cultura junina, mas só temos esse entendimento quando o trabalho passa a ter repercussão a nível nacional. Ver Nélson, Adriana, Cida, Emanuela e outros destaques, visitando o Brasil inteiro mostrando um pouco do nosso Ceará e sendo reconhecidos, é gratificante”.

“Agradeço ao Márcio Martins, não deixo de reconhecer sua contribuição, você entrou no momento que era preciso mexer no que estava dentro da caixa e nos colocou numa situação que precisávamos aprimorar o movimento. Espero que você continue trabalhando e fortalecendo esse movimento aqui nessa casa. Muito obrigado a todos!”. Em seguida, os Regionais da Junina Babaçu e da Regional Filhos do Sertão fizeram apresentações.

Históricos

A Quadrilha Junina Babaçu foi fundada no ano de 1989, é a primeira quadrilha via Streaming. A Junina Babaçu conquistou em 2011 o título de Campeã Cearense homenageando o Centenário de Juazeiro do Norte. No ano de 2012, escolheu o tema “O cangaço é espetáculo de encantamento nas noites de São João”. A quadrilha representou o Ceará no Festival de Quadrilhas Juninas do Nordeste, apresentando todo o legado cultural e seus principais personagens que norteiam o imaginário da cultura popular.

No ano de 2013, mostrou o forró como guia do povo nordestino. Em 2014, o “Destino” fez o São João da Junina Babaçu, conquistando o Bicampeonato Cearense e o 3º lugar no Festival Nacional de Quadrilhas.

Em 2015, “A Grande Ópera Junina”, ganhou vida no São João. A ópera “A Noite de São João” escrita por José de Alencar e regida pelo maestro Elias Álvares de Lobo deixou de ser uma obra esquecida no tempo e passou a ser o espetáculo mais premiado e elogiado do São João Brasileiro. A obra original foi executada apenas duas vezes em toda a sua história: em 1859 para Dom Pedro II e ao próprio criador, e em São Paulo pelo Coral de Vozes de Itu na década de 90. Veio o Tricampeonato Cearense e o título de melhor quadrilha do Festival Brasil Junino. Além do apoteótico título no Festival Interestadual de Mossoró Cidade Junina.

No ano de 2016, o Boi Babaçu virou o Boi do Brasil. O resgate cultural e folclórico da festa do Boi-Bumbá, deu à Babaçu e ao Ceará, o título de Campeã do Festival de Quadrilhas Juninas do Nordeste realizado anualmente e tradicionalmente em Pernambuco. Somado a isto, veio o Tetracampeonato Cearense e o Bicampeonato do Festival Brasil Junino.

No ano de 2017, o Baião estreou como palco de apresentação da Junina Babaçu, levando a mesma a ser campeã no Ceará e representou o estado, novamente com o título de Bicampeã do Festival Junino do Nordeste (Global), se tornou Tricampeã no Festival Brasil Junino. Em 2018 a Babaçu representou a força do povo nordestino com o tema “A força que nunca seca”, ficou em segundo lugar no concurso da Globo Nordeste.

A Quadrilha Filhos do Sertão foi fundada em 1996, e desde então vem resgatando a cultura e tradição junina no Estado do Ceará, tendo como Presidente, Paulo Henrique Sampaio Lemos. Com sede situada no Conjunto Tancredo Neves, tem papel social de resgatar jovens em situação de risco e atua na movimentação do empreendedorismo de moradores de vários bairros, como costureiras, sapateiros, chapeleiros, cenógrafos, músicos, maquiadores, marceneiros e outros.

O grupo comemora 20 anos de histórias, conquistas e alegrias vividas nos festejos juninos, trazendo em sua composição brincantes, além de músicos e equipe de produção, oriundos do bairro Tancredo Neves e adjacências. Durante esses 20 anos o grupo conquistou várias premiações. Está entre as dez melhores quadrilhas do Estado, segundo a FEQUAJUCE – Federação de Quadrilhas Juninas do Estado do Ceará.]

Fotos: André Lima