A Câmara Municipal de Fortaleza realizou, nesta segunda-feira (9), Sessão Solene em Comemoração ao Dia do Médico Veterinário. A solenidade foi proposta pelo vereador Márcio Martins (PROS), através do requerimento 0027/2019, aprovado por unanimidade pela Casa Legislativa. A sessão foi presidida pelo vereador Sargento Reginauro (Sem partido), no ato representando o presidente do Legislativo Municipal, Antônio Henrique (PDT).

A Mesa Solene foi composta pelas seguintes personalidades: presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária, Célio Pires Garcia; representante da coordenadoria de Vigilância a Saúde e membro do Conselho Nacional de Medicina Veterinária, Francisco Ataualpa Júnior; vice-presidente da Comissão de Defesa dos Animais da OAB, Cínthia Belino; representante da Sociedade de Médicos Veterinários de Saúde Pública do Estado do Ceará, Eduardo Amendola; presidente da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais no Estado do Ceará (Anclivepa), Maria Alice; presidente da Fequajuce, Fátima Freires e o vereador Joaquim Rocha (PDT).

Foi apresentado um vídeo onde o vereador Márcio Martins trouxe uma mensagem aos homenageados: “Queria dizer que embora que não esteja pessoalmente, estou em pensamento nessa sessão solene. A maioria de vocês deve estar sabendo que estive adoentado, o que me obrigou a entrar de licença médica. Tenho certeza que será uma noite de reconhecimento, pois o médico veterinario passa por todas as etapas de nossa vida, desde nossa mesa, nossos pets, na agropecuária. Por isso, quero confirmar meu compromisso que todas as profissões que tem importância para a vida das pessoas serão sempre reconhecidas por nosso mandato. Parabéns a todos os médicos veterinários”, frisou.

O vereador Sargento Reginauro, em sua saudação, destacou o cuidado e a a atenção que se deve ter com tudo que envolve a atividade do médico veterinário. “A forma como a sociedade tem visto a causa animal, hoje, de certa forma mudou. A causa animal entrou na agenda politica indiscutivelmente, de forma que não se pode pensar em plataforma politica sem colocar a causa animal. Neste ano, a causa animal entrou em discussão em três grandes momentos; no Código da Cidade, quando colocamos a proibição de exibição de animais em circos. Quando foi discutido o estatuto da natureza e mais recentemente, através de um projeto da vereadora Larissa Gaspar que proíbe que os estabelecimentos comerciais usem mais o animal como objeto de tração”, destacou.

Segundo o vereador, o Código da Cidade passou quatro anos sendo discutido na Casa e mesmo assim já apresenta erros. Isso ocorreu porque é necessário a participação popular e de especialistas. Agora estamos dando entrada no pedido de uma audiência pública pra discutirmos com especialistas para ver o que é preciso discutir quanto às leis para a causa animal,” pontuou.

“Mas como discutir a causa animal sem o profissional? Pela primeira vez da história estamos sendo obrigados a discutir hospitais veterinários públicos. Porque não é simplesmente questão de saúde, mas envolve o interesse geral da nossa sociedade. Tivemos no Senado uma vitória, que foi a mudança de uma lei que via o animal como uma coisa. A legislação precisa acompanhar o que a sociedade vive. Ha casais que abdicaram de ter filhos para ter animais e considerá-los como filhos”, ressaltou.

O vereador Sargento Reinauro lembrou que um evento de maior repercussão midiática no país recentemente foi a morte de um cão em um estacionamento. “Houve campanhas para reverter a mancha causada a uma grande marca prejudicada com aquele ato. Esta é uma causa que tomou lugar em todas as camadas da sociedade. Por isso, essa profissão ganhará lugar de destaque nas discussões políticas e na vida da sociedade brasileira,” concluiu.

Em seguida foram feitas as homenagens da noite com a entrega de certificados em comemoração ao dia do médico veterinário para as seguintes personalidades: Ana Maria Ribeiro; Antônio Hélder Machado Cambraia; Evaniza Alves Ventura; Francisco Barroso Pinto; João de Brito Neto (in memoriam), recebida por Júlia Norões, sua filha; José Eduardo Cabral Maia Júnior (in memoriam), recebida pela esposa Sandra Maria de Sousa Maia; José Ricardo de Figueiredo; José Ricardo Herz; Lúcia Daniel Machado da Silva; Marcelo Bezerra Nogueira; Maria Alice Gonçalves; Maria Míriam Cavalcante Marinho; Mirza de Sousa Melo; Osmar Nogueira do Amaral; Sérgio de Oliveira Franco; Vicente José de Figueiredo Freitas; Raimundo Bezerra da Costa; Toinha Rocha, homenagem a Coeba.

Em nome dos homenageados, falou Francisco Barroso Pinto destacando ser uma homenagem das mais justas a uma profissão que é tão importante no mundo, no Brasil e principalmente na cidade, em que moramos. “Agradeço a Deus, que é o autor de tudo isso, dessa noite, de nossa existência e de minha presença nessa solenidade. Como servidor público da cidade de Fortaleza há 44 anos, só tenho a agradecer. Quando cheguei aqui do interior, dos matos, eu queria emprego e apareceu esse da prefeitura e por isso quero honrar essa oportunidade até quando Deus permitir. Já como médico veterinário da Prefeitura, em abril desse ano fiz 35 anos. Tudo isso é motivo para amar aquilo que fazemos. Quero saudar todos os homenageados”, destacou.

“Falar da medicina veterinária é falar da minha vida. Nasci e vivi até os 17 anos em uma fazenda. Quando eu vim para Fortaleza sabia o que queria. Entrei na Uece enfrentando uma concorrência muito grande, conclui meu curso. Quero fazer uma homenagem póstuma aos meus professores, Ciro Cardoso e o professor doutor João Francisco de Sousa, meu orientador. A medicina veterinária é uma coisa muito antiga. O código de Hamurabi já falava em tratamento e prognóstico. Esse documento é datado de 1772 antes de Cristo, e já se falava em tratadores e curadores de animais. Abracei essa profissão e digo aos mais jovens que vale a pena. Muitas faculdades estão sendo criadas e fazendo uma derrama de profissionais no mercado. Que as autoridades olhem para esse povo”, asseverou.

Falou também Célio Pires, presidente do Conselho Regional de Veterinária. “Hoje cedo recebi uma mensagem de um colega do Cariri que ressaltava as qualidades de nossa profissão e que cada dia nós temos que matar um leão. Eu disse a ele que a cada dia um médico veterinário amansa um leão, não mata. Um repórter perguntou se tínhamos algo a comemorar. Temos! Esse ano foi de extrema dificuldade para a medicina veterinária brasileira, muitos cursos abertos. O mundo tem 750 cursos de veterinária, só o Brasil tem 407, que oferecem 60 mil vagas por ano”, detalhou

Segundo Célio, houve também uma grande investida do ensino a distância na medicina veterinária. “O Governo autorizou o funcionamento de 16 cursos que representam 70 mil novas vagas por ano. Fizemos um movimento investindo em todos os nossos representantes no congresso. E conseguimos formar uma frente em defesa dos cursos de medicina no país. Na LDB incluímos normas que impedem os cursos à distância. Então temos muito a comemorar. É uma profissão bela. Não é só o médico do cãozinho e do gatinho, temos uma enorme responsabilidade na qualidade de vida da população. Que dias melhores venham para a medicina veterinária brasileira”, finalizou.

Fechando os pronunciamentos falou Coordenadora Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), Toinha Rocha, que afirmou não existir proteção animal sem veterinário. “Caridade salva a cada um de nós, mas o que vai salvar é o trabalho de todos. Dizia ao secretário de governo se não contratar veterinário não teremos como fazer politicas públicas. Temos mais de 500 mil animais domiciliados e quase 150 mil em vulnerabilidade. Quem vai cuidar, castrar esses animais? Eu coloquei meu nome para ser vereadora e meu mandato para defender os animais. Está ainda muito longe do ideal, mas estamos caminhando. Fizemos mais de 40 mil atendimentos de animais em situação de vulnerabilidade. Queremos criar pelo menos 5 empregos em cada regional para cuidar desses animais. Vamos vencer essa batalha”, observou.

Veterinário

O Dia do Médico Veterinário é comemorado no dia 09 de setembro. Eles são profissionais responsáveis por cuidar da saúde dos animais, sejam eles, de estimação ou selvagens. E que também ajudam a diminuir a propagação de doenças transmitidas por eles, para os seres humanos. Essa data foi instituída, em 1933, por Getúlio Vargas, que assinou a Lei nº 23.133, para regulariza a profissão e o ensino da medicina veterinária no país. Vale ressaltar, que tramita nesta Augusta Casa Legislativa o PLO 450/2018, proposto pelo Vereador Márcio Martins, que visa incluir no calendário oficial de eventos da Prefeitura Municipal de Fortaleza o Dia do Médico Veterinário.

Fotos: André Lima