A Câmara realizou, nesta quarta-feira (12), no auditório Amadeu Arraes, Sessão Solene em homenagem a Academia Cearense de Direito. A solenidade foi proposta através do requerimento 5.638/2018 de autoria do ex-vereador Josenias Gomes, por iniciativa do vereador Evaldo Lima (PCdoB), que presidiu a sessão, no ato representando o presidente da CMFor, vereador Salmito Filho (PDT). A Mesa solene contou com as presenças do presidente da Academia Cearense de Direito, Roberto Victor Pereira Ribeiro; do ex-vereador e autor do requerimento Josenias Gomes; da presidente da Associação Peter Pan, doutora Olga Maia; da vice-procuradora-geral de Justiça do Estado, Vanja Fontenele; do procurador do Estado, César Barros Leal; e do vice-presidente da Fiec. Alexandre Pereira.

Abrindo a programação aconteceu uma apresentação da Orquestra Infantil da Fundação Raimundo Fagner, sob a regência do maestro Eduardo Saboia. Em sua saudação aos presentes, o vereador Evaldo Lima destacou que a tribuna da Câmara é do povo. “E aqueles e aquelas que falam nesta tribuna, falam em nome dos homens e mulheres que moram nessa terra alencarina. E é Alencar, filho de dona Barbara, primeira mulher presa politica do Brasil, o patrono da Academia. Em nome dessa valorosa gente que mora, trabalha nessa terra, que eu saúdo a Academia, em nome de cada um dos acadêmicos”, disse

Destacou que ao saudar a Academia, lança um olhar sobre o passado para e destacar a quem teve a feliz iniciativa de transformar um sonho em realidade, “mas quero em ato continuo olhar para o futuro refletir para os desafios para quem se coloca a frente desse trabalho. Recordo que em março de 2017, quando histórico Theatro José de Alencar abriu suas portas para o ato solene de instalação da Academia, quando foram empossados os acadêmicos e membros da diretoria, o seu presidente disse que um dos alicerces desse trabalho é a educação”, ressaltou

Ele lembrou a característica de vanguarda do Ceará, que foi chamado por José do Patrocínio como Terra da Luz, tendo sido pioneiro na abolição da escravatura, e na criação da primeira Academia de Letras, quatro anos antes de brasileira, a partir da atuação de Moacir Jurema, Antônio Sales e outros. “Uma das ações é a visita as escolas públicas, quem podem ser ampliadas para particulares, onde são realizados debates sobre a educação política, que move os jovens a buscar conhecer a cultura jurídica para a formação da consciência cidadã, que é o caminho mais curto e certo para uma sociedade mais justa. Temos uma numerosa comunidade jurídica formada por uma numerosa classe de operadores do direito e outros comunidade estreitamente vinculada a anterior, a Acadêmica interagindo com esses grupos que academia de direito vai construindo sua história cultura jurídica com responsabilidade social. Viva José de Alencar patrono da nossa Academia, viva os acadêmicos nessa noite de aniversário da nossa Academia Cearense de Direito”, concluiu

Em seguida, o vereador Evaldo Lima fez a entrega de um troféu e certificado aos dirigentes a Academia Cearense de Direito, Roberto Victor Pereira Ribeiro e Jardison Cruz. Em nome da Academia Cearense do Direito, fez seus agradecimentos o presidente Roberto Victor. “William Shakespeare exortava que um sonho só é concreto quando você vive a realidade. Em 12 de dezembro de 2016, a academia tornou-se um sonho concreto. Hoje, os 40 acadêmicos efetivos, inúmeros honorários e correspondentes vivemos na realidade de nossa vida. Naquele dia começamos a viver a acardia que iria descortinar o Ceará, o Brasil e o Mundo. A academia está presente nas 27 unidades federativas e Distrito Federal e em 12 países do mundo, deixamos de ser um sonho de cabeças chatas para ter ramificações nacionais e internacionais, Convido a todos que embarquem nesse sonho real”, disse.

Em seguida fez um histórico das atividades realizadas neste ano. “Nossa odisseia foi de muito trabalho e dedicação as causas culturais, sociais do nosso estado. Chegamos a essa data com sensação de missão cumprida. Para encerrar com chave de ouro, daremos posse a quatro novos acadêmicos; o deputado Evandro Leitão, o empresário Alexandre Pereira; Eduardo Oliveira, presidente da Academia Cearense de Artes e Elano Matos, perito forense, chefe do setor de perícia da Policia Federal. Foi o primeiro brasileiro diretor mundial da Interpol, em Lion na França.

Hoje concederemos também a Medalha Arnaldo Vasconcelos, ao professor César Barros Leal. Por fim, mas não menos importante, temos a felicidade de entregar prêmio Academia Cearense de Direito, que premia entidades com responsabilidade social, que neste ano será concedida para a Associação Peter Pan.  A presidente Olga Freire merece todas as honras concedidas a ela e a instituição, por seu exemplar trabalho. Quero agradecer a Câmara, a IAPS, e a Fundação Raimundo Fagner. Agora despeço-me porque agora vou sonhar, e vou sonhar maior. E cada sonho meu há de criar-se ao meu redor. Agora vou sonhar e vou sonhar mais alto, e a cada sonho meu há de se tornar mais leve o salto. Vou sonhar, vamos sonhar pois nossos sonhos se tornam realidade”, concluiu.

O acadêmico Marcos Gomide, falou em nome da Academia saudando os quatros novos acadêmicos, a Associação Peter Pan, pelo prêmio Academia Cearense de Direito e o promotor Cesar Barros Leal, que recebeu a Medalha Arnaldo Vasconcelos. Em nome dos homenageados falou César Barros Leal. “Tive o privilegio de ser discipulo de Arnaldo Vasconcelos. O livro que ele adotava era a Teoria da Norma Jurídica e que nos permitiu mergulhar num universo exuberante nas normas jurídicas”, relembrou.

Em seguida receberam os certificados de acadêmicos, o deputado Evandro Leitão, o empresário Alexandre Pereira; Eduardo Oliveira e Elano Matos. Já a presidente da Associação Peter Pan, Olga Freire e demais representantes da entidade receberam o prêmio Academia Cearense de Direito. A presidente Olga Freire fez seus agradecimentos. “A associação que é plural, chega a quase 23 anos, tendo como base, as diretrizes do amor, viabilizado na humanização, em 15 programas sociais, que vem da cesta básica até a casa. O hospital que construímos o primeiro em 2000 vem durante todo esse tempo prestando serviços em nosso Estado. Agente divide esse prêmio com todas as pessoas que participam desse trabalho”, asseverou. Ato continuo, houve o lançamento de dois livros. De Jonas Costa, “Ministério Público Origens Remotas, e de João Batista, “Juristas Notáveis”.