A Câmara Municipal de Fortaleza realizou nesta terça-feira (18) Sessão Solene para a entrega do Título de Cidadão de Fortaleza ao cantor e compositor carioca Acrailton Forde (Ito Melodia). A homenagem foi proposta através do decreto legislativo 861/2018 de autoria do vereador Márcio Martins (PROS), que presidiu a sessão, no ato representando o presidente da CMFor, vereador Salmito Filho (PDT) . A Mesa Solene contou com as presenças de: Heloísa Rejane, vereadora de Nova Russas; Elano Guilherme, presidente do Sindiconfecções; Keliane Chaves, presidente da ONG Pintando o Sete Azul; Raimundo Praxedes, presidente das Entidades da Cultura Carnavalesca; Marília Brandão, autista e o homenageado da noite, Ito Melodia

Em sua saudação ao homenageado e aos presentes, o vereador Márcio Martins disse ser motivo de felicidade reunir numa mesma noite duas das suas paixões – a Cultura e o Autismo. Ele passou a falar do homenageado, afirmando que o mesmo idealiza e compõe músicas lindas, que segundo o mesmo seriam inspirações de Deus. “Sua música é muito divulgada, mas precisa ir mais longe, ser levada a outros lugares, a outros países”, afirmou.

“A Organização Mundial da Saúde diz que 1% da população mundial é autista. Eu, na minha convivência creio que esse número deve ser revisado. Não que tenha aumentado, mas sempre estavam lá, só não havia diagnóstico”. Melodia, segundo o vereador, é carnavalesco e puxador do samba enredo da Escola de Samba Unidos da llha do Governador. “O tema do samba deste ano é o Ceará. O Carnaval do Rio de Janeiro é levado para 120 países, eles vão saber sobre o nosso Ceará, nossa arte, culinária e até sobre nosso cearês. É isso que traz o enredo “Ixi Maria”, sob voz de Ito Melodia. Ele fala da nossa rede de dormir, da nossa carnaúba, do nosso Cariri. Reitero minha alegria, minha satisfação. Essa é a última sessão solene que vou presidir nessa casa neste ano e não poderia fechar esse ciclo com um tema mais propício”, asseverou.

Após receber o título de Cidadão de Fortaleza, Ito Melodia disse ser uma honra muito grande receber a homenagem. “É de emocionar. Acho que cada estado deveria ter um vereador Márcio Martins, não só por sua belíssima leitura, mas pelo seu envolvimento e o emocionar ao falar. Quando apresentei a música sobre autismo na União da Ilha, o nosso diretor pediu para cantar em ritmo de samba. Todos se emocionaram a ouví-la. Não sou muito de falar, sou mais que cantar, mas quero agradecer ao vereador Márcio Martins, propositor dessa sessão”.

Ressaltou que a causa do autismo aconteceu de uma forma inimaginável em sua vida. “Eu faço um projeto social há mais de 15 anos na Ilha do Governador, o projeto Feijão e Melodia. Levo música e aula de percussão, mestre-sala e porta bandeira e dou feijoada de graça. Tenho 33 anos de favela do Morro do Ug-Ug , quando saí e lá levei comigo o legado do meu pai, Haroldo Melodia. Ele foi a maior voz do carnaval do Rio, e o primeiro que lançou o grito de guerra na Sapucaí. O autismo aconteceu há seis anos, quando fui convidado pelo Grupo Compartilha, que faz uma caminhada de conscientização sobre o autismo. Fui convidado para compor uma música e me apaixonei pelo trabalho com essas pessoas”.

Disse que logo na sua primeira caminhada, um adolescente de nome João Victor, de 16 anos, o abraçou, algo que não é comum entre os autistas que evitam o contato físico, e isso o emocionou. “Passei a cantar as músicas da caminhada e passei a gravar também. Mas decidi fazer uma música para o autismo. Em 15 dias estava pronta. Quando o presidente da União da Ilha me pediu para fazer o samba enredo da escola, eu pedi para cantar a música sobre autismo, ‘sou autista do mundo solitário’. Cantei no dia 14 de fevereiro e ele gravou no seu celular e postou nas redes sociais. No dia 16 ele me chamou e me mostrou o Facebook dele. A música chegou a 400 mil visualizações, sem ninguém impulsionar nada. Era uma causa que não tinha voz. Hoje tem 1 milhão e 900 mil visualizações”, revelou.

“Penso que essa música deve ser orquestrada, com a participação de vários artistas brasileiros, como foi feita com a música We Are The World, concluiu. Em seguida Ito Melodia cantou a música “sou autista do mundo solitário”, e depois o samba enredo de 2019 da União da Ilha, com a presença da bateria de várias escolas de samba da Capital, de uma porta bandeira e um mestre-sala e foliões que fizeram do plenário da Casa, uma mini Sapucaí.

Em seguida, foi dada a palavra a jovem Maria Rafaela, que é autista. “Faço parte da Pintando o Sete Azul desde 2016 e quero saudar a todos. Quero agradecer pelo convite de participar. O discurso não é sobre mim, mas sobre uma pessoa que vem lutando pelos autistas, que é o músico Ito Melodia. Quero parabenizá-lo a abraçar a luta pelo autista, sob o som do ‘maravilhindo’ samba. Você não sabe como essa música penetra na vida das pessoas que convivem com o autismo. A cada estrofe os nossos pais vão às lágrimas. Minha mãe disse que quando nova não abraçava direito. Olhar nos olhos é ainda um desafio, mas são coisas que supero a cada dia. Meu irmão, que também é autista,  falou mamãe aos quatro anos, foi outra emoção. Podem até pensar – essa menina não é autista, mas sou diagnosticada e busco superar as dificuldades, Obrigado aos meus pais por não desistirem de nós. Agradecer aos amigos do Pintando o 7, o vereador Márcio Martins e o deputado Capitão Wagner, que merecem nossos agradecimentos. E nós devemos tentar, tentar e nunca desistir de nossos sonhos e ideais,” finalizou.