A Câmara Municipal de Fortaleza realizou nesta quinta-feira, 16, audiência pública sobre o Plano Municipal de Leitura e Escrita. O momento colocou em destaque a elaboração e implementação da política no Município, seguindo diretrizes do Plano Nacional de Leitura e Escrita.

A vereadora Larissa Gaspar (PPL), propositora do debate, evidenciou a necessidade de garantir o acesso a leitura e como o livro promove a disseminação do conhecimento em nossa sociedade. “Educação é um processo uno e que precisa ser contínuo e com esses cortes e com a aprovação da PEC um 2018, a vida do povo não será fácil. Então a gente discutir o processos básicos, que venham assegurar o acesso à educação e à leitura, é extremamente importante”, reforçou.

Representando a Rede de Leitura Jangada Literária, Lilian Grandela reforçou a necessidade de colocar em pauta a criação de um grupo de trabalho para a elaboração do projeto do Plano Municipal. Destacando a complexidade da proposta, Lilian Grandela falou sobre a mobilização de todos os segmentos envolvidos na temática, envolvendo o setor criativo e produtivo.

Na fala da represetante da Secretaria de Educação do Estado foi destacado o trabalho do Governo do Estado na distribuição de títulos do PAIC Prosa e Poesia. Segundo Fabiana Scaff, a Seduc vem trabalhando no fortalecimento das bibliotecas nas escolas municipais e que o Plano Estadual de Leitura e Escrita já vem senfo pautado.

Sophia Dantas da Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secultfor) frisou os trabalhos que a gestão municipal vem desenvolvendo para iniciar os debates sobre o Plano Municipal de Leitura e Escrita. A proposta, como falou a bibliotecária, necessita de um enjamento da Secreatria de Governo mas que a Secultfor vem trabalhando para retomar as ações do grupo de trabalho.

O debate evidenciou o trabalhos das bibliotecas comunitárias e dos coletivos de leitura. O momento contou com a participação de crianças atendidas pelo ptojeto Jangada Literária e que em fala por meio de cartazes apresentaram o significado do livro em suas vidas.

Foto: Evilázio Bezerra

A audiência contou com a participação da Secult, representado por Gorete Albuquerque, e a Associação Bibliotecários do Ceará, Cassia Barreto.