A Câmara Municipal de Fortaleza realizou na noite desta quarta-feira, 3, no auditório Ademar Arruda, uma audiência pública para discutir a depressão e todos os transtornos a ela associados: suas causas, seus efeitos e suas formas de tratamento e prevenção. A iniciativa foi do vereador Jorge Pinheiro (DC), que destacou a importância do Legislativo nesse debate.

“Nós queremos conhecer, debater, ouvir o público, principalmente, aqueles que sofrem na pele a questão da dificuldade de acesso ao tratamento. Diante disso, identificar o que podemos fazer enquanto poder público para prevenir essa doença e evitar a ideação suicida e a automutilação”, frisou o vereador.

Entre os especialistas convidados para falar sobre o tema, participou o Dr. Fábio Gomes, médico psiquiatra, PhD em Psiquiatria pela Universidade de Edimburgo. O profissional falou da necessidade de uma melhor estruturação do serviço de saúde mental de Fortaleza, de contratar mais profissionais e do Legislativo assumir o protagonismo na luta contra a depressão.

“Se nós não nos imbuirmos dessa responsabilidade, então estamos deixando de fazer o nosso papel. Nós somos a voz, temos a responsabilidade, de cuidar das pessoas que são mais fracas na sociedade”, disse o médico.

O psiquiatra no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) do município de Paraipaba e no serviço de pronto atendimento do Hospital de Saúde Mental de Messejana, Dr. Caio de Aguiar, relatou alguns problemas que ele identifica na prestação do serviço. O psiquiatra afirmou que um dos maiores gargalos no tratamento da depressão é a falta de medicamento, além de não existir um serviço integrado, que acolhe o paciente como um todo.

Para o coordenador de Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde, Rui de Gouveia Soares, que foi representando a primeira-dama do Município, Carol Bezerra, o serviço de saúde mental é complexo e ainda requer melhorias. Segundo o gestor, a Prefeitura de Fortaleza está investindo na expansão da rede de saúde mental de forma integrada (todos os Caps estão sendo implantados próximos a equipamentos de saúde), além da realização de concurso público para a área e a restauração da atenção primária desse atendimento.

O debate ainda mostrou alguns fatores que precisam ser levados em consideração para a prevenção da depressão, como os maus tratos na infância e o uso de substância química.

Psicoterapia

Evidenciando a importância de acolher o paciente e ajudar ele a encontrar sua própria autonomia, é que a coordenadora geral do Programa de Apoio ao Deprimido Refratário, Emanuele Araújo, comentou sobre a relevância da psicoterapia no serviço público e consequentemente do profissional de psicologia, principalmente nas escolas. Emanuele relatou o alto índice de casos de depressão entre crianças e adolescentes e enfatizou a importância de acolher a dor desse público, promovendo a saúde mental.

A representante da Secretaria Municipal de Educação, Dra. Silvana, destacou as atividades que a Pasta vem realizando para a promoção, prevenção e o cuidado da saúde mental da comunidade escolar, evidenciando a realização de um curso para 360 gestores da Secretaria, visando cuidar da saúde mental desses profissionais.

Proadere

A vice-coordenadora do Proadere/UFC, Vanessa Firmino Nascimento, falou sobre o Proadere (Programa de Apoio ao Deprimido Refratário), que é o responsável de promover a campanha “Abril Blue” e tem o de objetivo desmistificar a depressão nos seus mais diversos aspectos.

Encaminhamentos

O vereador Jorge Pinheiro após ouvir todos os participantes, especialistas e os representantes do poder público, propôs os seguintes encaminhamentos:

  • Elaborar um programa de apoio ao deprimido refratário com a contribuição do Proadere, para ser apresentado à Secretaria de Educação, objetivando o trabalho específico nas escolas da rede municipal de ensino.
  • Produzir um projeto de lei que reconhece o “Abril Blue” uma política de prevenção ao suicídio e que neste mesmo mês, seja realizada audiência, sessão solene e cursos para servidores públicos para tratar da depressão.
  • Realizar a divulgação do programa a ser desenvolvido no mês de abril, por meio dos veículos de comunicação da Casa Legislativa e por folders informativos.
  • Utilizar parte do Grande Expediente para discutir sobre a depressão.

Fotos: André Lima.