Com o objetivo de debater as formas de conscientização e prevenção ao suicídio, por ocasião do setembro amarelo, a Câmara Municipal de Fortaleza realizou na tarde desta terça-feira, 10, uma audiência pública para discutir a temática. Os números reforçam a problemática da atualidade. Sabe-se que hoje, 32 brasileiros se suicidam diariamente. No mundo, ocorre uma morte a cada 40 segundos e aproximadamente 1 milhão de pessoas se matam a cada ano. Percebendo a seriedade da estatística, o vereador Jorge Pinheiro (DC) promoveu o debate .

Vereador Jorge Pinheiro (DC)

“Nós estamos no mês de setembro que é destinado ao tema setembro amarelo, período em que nós falamos de maneira mais específica da questão da valorização da vida e da prevenção ao suicídio. Diante disto, nós precisamos conversar sobre esse malefício que está acontecendo em nosso meio. Nós políticos, nós enquanto poder público, queremos o melhor para o fortalezense e isso inclui uma melhor qualidade de vida. Um dos grandes ataques neste tempo são os transtornos mentais, de maneira mais específica, a depressão e o suicídio”, atentou o vereador Jorge Pinheiro.

De acordo com Dr. Fábio Gomes de Matos, coordenador do grupo PraVida, as ações devem ser pactuadas entre os poderes e a sociedade com o intuito de salvar pessoas. “Os números de suicídio no Brasil chegam a 12 mil ao ano, no Ceará ocorrem 600 mortes e em Fortaleza e Região Metropolitana cerca de 300. Em outras palavras, a cada dia, 2 cearenses morrem por suicídio. O que a gente tem que ficar atento são aos comunicados que muitas vezes as pessoas falam e não são tão claras, como por exemplo: a minha vida está um peso enorme, não aguento mais, queria dormir até os meus problemas acabarem. Precisamos ficar atentos a essas mensagens subliminares. O suicídio, de tudo que acontece na terra, é a morte mais prevenível que possa ter”, relatou o psiquiatra.

Dr. Fábio destacou três perguntas que podem ser feitas às pessoas em caso de depressão:
– Você tem planos para o futuro?
– Se a morte viesse hoje ela seria bem-vida?
– Como você encara a sua vida?

Diante das respostas, o indivíduo deve buscar ajuda. Quanto ao acolhimento deste público na rede de saúde, o coordenador reforçou ser um espaço de atendimento precário. “O sistema público de saúde é uma lástima. As pessoas até pensam em procurar os CAPS, mas só conseguem consultas para dois, três meses depois e aquela que tem uma intenção suicida precisa de atendimento agora. É fundamental a criação de uma rede da vida. Por exemplo, todas as quintas-feiras todo Sistema de Saúde Municipal deveria se dedicar a prevenção do suicídio e assim criar uma cultura de acolhimento à população”, frisou.

Entrevista com o dr. Fábio Gomes

Já Dr. Rui de Gouveia, coordenador de Redes de Atenção Primária e Psicossocial (CORAPP) da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), atentou que a rede integrada de acolhimento conta com as UPAS, Postos de Saúde , CAPS e Hospitais. “É importante que a rede seja capaz de acolher as pessoas com sofrimento psíquico. A população deve procurar ajuda na unidade mais próximas a sua residência, que muitas vezes é a Unidade de Atenção Primária, o Posto de Saúde. As equipes têm que estar habilitadas para identificar a situação e saber o nível de risco que a pessoa se encontra naquele momento. Entretanto, todos os pontos da rede devem está se comunicando para colocar o indivíduo no local mais apropriado de acompanhamento”, disse. Dr. Rui citou ainda a importância da mídia nas campanhas de prevenção e atentou para uma rede de apoio familiar no processo emocional e preventivo.

Ao final, o vereador Jorge destacou dois projetos que serão apresentados à Casa Legislativa. O Projeto Indicativo intitulado ‘Amparo pra Vida”, em que solicita uma rede de proteção em pontes e viadutos, e o Projeto de Lei chamado de ‘Proteção pra Vida’.

Setembro Amarelo

O setembro amarelo surgiu há 25 anos. A cor da campanha foi adotada por conta da trágica história de Mike Emme, um jovem americano, de 17 anos que, em 1994, tirou a própria vida dirigindo seu carro amarelo. Seus amigos e familiares distribuíram no funeral cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que estivessem passando pelo mesmo desespero.

Composição da Mesa: vereador Jorge Pinheiro (DC), Silvana Rodrigues; representando a secretária Dalila Saldanha, Dr. Fábio Gomes; doutor em psiquiatria e coordenador do grupo PraVida, Dr. Rui de Gouveia; coordenador de Redes de Atenção Primária e Psicossocial (CORAPP) da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Major Edir Paixão; sub-comandante da 2ª companhia de bombeiros.

Confira a audiência pública na íntegra 👇


Audiência - Setembro Amarelo

Fotos: Evilázio Bezerra.